• Celorico de BastoS
  • IgrejasS
 pt celoricobasto arnoia conventoarnoia bd869870 1 538 300

Igreja e Convento de Arnóia

 pt celoricobasto arnoia conventoarnoia bd869870 1 139 90
 pt celoricobasto arnoia mosteiroarnoia bd863c 869 1 538 300

Igreja e Convento de Arnóia

 pt celoricobasto arnoia mosteiroarnoia bd863c 869 1 538 300
Pontuação
Ainda não tem opiniões registadas
5139 visualizações
Chart?chst=d map spin&chld=0
0 visitas
Morada

Estrada Municipal 619

Lugar: Arnoia
Freguesia: ARNÓIA
Concelho: CELORICO DE BASTO


4890-020

Latitude
41.37381889563942
Longitude
-8.01525498225601

Muitas dúvidas persistem acerca da origem do mosteiro beneditino edificado em Arnóia na Idade Média, nomeadamente no que se relaciona com o seu fundador. Se alguns autores atribuem a sua fundação a D. Arnaldo Baião, nos anos finais do século X, outros defendem que Múnio Muniz, alcaide do castelo de Arnóia sepultado em 1034 no interior do cenóbio, foi quem o mandou edificar.
Da edificação medieval pouco resta, uma vez que o mosteiro foi reedificado nos finais século XVII, numa campanha de obras que se prolongou pela centúria seguinte. Nas Memórias Ressuscitadas de Entre-Douro-e-Minho, escritas por Craesbeeck em 1726, refere-se a igreja do mosteiro como sendo uma das mais antigas de região de Basto, ressalvando o facto de ter tido, então, obras recentes.
O mosteiro é composto pela igreja de planta longitudinal, à qual se adossam lateralmente as dependências monacais. De nave única, o templo apresenta uma fachada de aparelho de granito, com portal principal de moldura simples, em arco rebaixado, encimado por um nicho com a imagem de São João Baptista. Sobre esta, duas janelas rectangulares, também de moldura em arco rebaixado. O conjunto é rematado por frontão triangular com dois fogaréus laterais e uma cruz no topo. Do lado esquerdo foi edificada a torre sineira fechada por remate piramidal. No interior, destacam-se o magnífico cadeiral de talha, o tímpano esculpido com um Agnus Dei, proveniente da escola de Rates, e uma representação de São Miguel atacando a serpente.
Destacando-se pelas fachadas pintadas de branco, que lhes conferem um certo ar palaciano, as dependências monacais organizam-se em torno de um pátio, dividindo-se em dois registos, pontuados pela abertura de portas e grandes janelas de sacada. O claustro divide-se em dois registos, sendo o primeiro composto por arcada assente sobre colunas toscanas e o segundo, fechado, rasgado por janelas de sacada com guardas de ferro. Ao centro da quadra foi edificado um chafariz assente sobre três degraus, com tanque recortado e duas taças circulares, suportadas por coluna e rematadas por pináculo.
Depois da extinção das ordens religiosas, o mosteiro foi entregue à paróquia de Arnóia. Em 1867, o rei D. Luís aprovou os estatutos da Santa Casa da Misericórdia de São Bento de Arnóia, que no ano seguinte foi oficialmente fundada, instalando-se no antigo cenóbio. Parte da ala conventual foi ocupada pelo novo Hospital Civil de São Bento de Arnóia.
No primeiro quartel do século XX o hospital atravessou dificuldades financeiras, e em 1918 encerrou as portas, reabrindo no ano de 1930 depois de um grande esforço da população de dos provedores da Misericórdia para angariarem fundos para a instituição. Em 1982 as instalações hospitalares foram deslocadas para o novo centro de saúde de Celorico de Basto, sendo esta zona das dependências monacais devolvida à Misericórdia. Posteriormente a Santa Casa fundou, no espaço do mosteiro, um lar de terceira idade e um jardim infantil, que se mantêm até hoje.
Catarina Oliveira
DIDA/ IGESPAR, I.P./ Julho de 2011